Skip to content

13 de Setembro de 2011

2

O Corta-Relvas

por peixearanha

O intrépido Ministro Corta-Relvas anunciou uma razia nos cargos dirigentes municipais, Directores Municipais, Directores de Departamento e Equiparados, Chefes de Divisão e Equiparados (cf.JN de 09.09.2011).


A Tabela anexa mostra que, em Espinho, dos 2 Directores de Departamento e 19 Chefes de Divisão, apenas ficam 3 (leram bem?), três Chefes de Divisão. Como diria o Álvaro 3 Super-Chefes-de-Divisão!

Os outros regressam ao escalão de origem na carreira. “É o drama, o horror, a tragédia. …”

Há algum tempo que os executivos políticos municipais se esforçam em fazer querer na imparcialidade e transparência dos concursos públicos para o preenchimento dessas proveitosas comissões de serviço.

Porém, a realidade é bem diferente e, em vez da igualdade de oportunidades, responsabilidade e competência defendem-se “os que já cá estão”, e, para isso, cobram-se doses de bajulice pessoal e servilismo político aos putativos candidatos.

Tal comportamento é transversal à administração pública, e não só, e foi genialmente descrito por Miguel Esteves Cardoso:

“Noto com desagrado que se tem desenvolvido muito em Portugal uma modalidade desportiva que julgara ter caído em desuso depois da revolução de Abril. Situa-se na área da ginástica corporal e envolve complexos exercícios contorcionistas em que cada jogador procura, por todos os meios ao seu alcance, correr e prostrar-se de forma a lamber o cu de um jogador mais poderoso do que ele.
Este cu pode ser o cu de um superior hierárquico, de um ministro, de um agente da polícia ou de um artista. O objectivo do jogo é identificá-los,lambê-los e recolher os respectivos prémios. Os prémios podem ser em dinheiro, em promoção profissional ou em permuta. À medida que vai lambendo os cus, vai ascendendo ou descendendo na hierarquia.(…)

Voltando ao caso de Espinho, o défice de lugares de chefia vai exigir um esforço colossal na demonstração de técnicas de … subserviência.

Uma questão interessante: irá a teimosia de Pinto Moreira conduzir até às ultimas consequências os mal amanhados concursos para lugares de chefia, mesmo sabendo que a prazo terá de reduzir os lugares, ou vai anulá-los poupando-se ao vexame de a isso ser obrigado pela tutela, não só pelas gafes mas também pela má gestão de dinheiros públicos que, em última análise, em caso de homologação de resultados, poderá significar a restituição de vencimentos ou a indemnização por extinção do lugar.

Anúncios
2 comentários Post a comment
  1. rosamaria
    Set 13 2011

    será q sao precisos tantos chefes?

    Responder
    • Set 13 2011

      São! E alguns até são só chefes deles próprios!

      Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Note: HTML is allowed. Your email address will never be published.

Subscribe to comments

%d bloggers like this: